lobo-no-gerês

Encontrou um lobo no Gerês? 10 coisas que deve saber quando o enfrentar!

Se gosta de passear pelas matas do Gerês, e se ao acaso encontrar um lobo no Gerês, saiba que existem alguns pontos que deve saber quando surgir esse “confronto”. Tanto pela sua segurança, como também pela segurança do lobo.



Passamos a explicar as 10 coisas que deve saber quando estiver frente a um lobo no Gerês.

lobo-no-gerês

O lobo é um animal solitário, em que a única sociedade em que ele participa é a sua própria alcateia (grupo de lobos). Não é um animal típico de viver ou conviver junto de outros animais (por exemplo: cão, cavalo, gado, etc.), e logo por aí cria em si algum distanciamento das restantes espécies.

Por isso, se um dia encontrar um lobo no Gerês, lembre-se destes 10 pontos:

  1. Evite olhar o lobo directamente nos olhos dele. O lobo entenderá esse momento como um desafio/ameaça a ele, como se o estivesse a intimidar. É preferível olhá-lo “de lado”, sem ser com os seus olhos postos directos no olhar dele. Lembre-se que o lobo é um lobo, não é um cão ou animal doméstico para lhe fazer “festinhas”.
  2. Deverá afastar-se ou reduzir distância o mais calmamente possível. O lobo no Gerês não sabe se está em desvantagem numérica face a si/amigos/familiares. Em caso de dúvida, o lobo poderá atacar em sua defesa, porque tal como o lobo ataca em grupo, poderá pensar que os humanos também o façam nesse momento.
  3. O lobo sente o seu cheiro a uma grande distância. Quando você se aproximar, ele já sabe disso, se calhar até mesmo muito antes de você o ter visto. Isso atribui a ele algum tempo para se defender, fugir, ou dar sinais a outros lobos de que estão a ser invadidos ou incomodados.

    Lobo no Gerês-lobo-iberico-no-geres-lobo-no-geres
    Lobo Ibérico no Gerês
  4. No Gerês, existem várias reservas naturais para lobos, sendo o Lobo Ibérico o mais conhecido. Como tal, ele estabelece alguns limites no seu território, afinal é a sua “casa”. E ele protegerá a sua casa, tal como nós protegemos as nossas casas.
  5. Não se dirija direto a ele, não caminhe na sua direcção. Ele poderá interpretar isso como uma investida, ou talvez, um ataque iminente a qualquer segundo. Deverá caminhar para o lado direito ou esquerdo, recuar, ou até mesmo esconder-se antes que de ser visto/a pelo lobo.
  6. Um lobo/a no Gerês com crias torna-se mais perigoso/a, pois activa-se o seu sentido protector de progenitor/a. Os animais cuidam das suas crias de forma apaixonada e vão até ao limite das suas defesas para se assegurarem do seu bem estar.
  7. Ao encontrar um lobo, não sabe se ele tem andado alimentado ou não. Em caso extremo (embora humanos não sejam a sua preferência) o lobo poderá atacar sem medo e sem piedade, pois a sua sobrevivência depende sempre das oportunidades em encontrar comida.
  8. No passado, o lobo pode ter passado por outras situações ou confrontos com humanos, que podem não terem sido as melhores para ele. Portanto, com más recordações, o lobo poderá ter reacções menos amigáveis, pois poderá compreender que “todos humanos são iguais e com as mesmas intenções”.
  9. Durante o ano, existem épocas de acasalamento, o que provoca alterações das hormonas e do comportamento normal do lobo/a. E esse facto faz com que se despertem várias reacções diferentes, que se poderão tornar em acções imprevisíveis dos lobos.
  10. Por fim, a parte irracional. O lobo tem no seu ADN o instinto de sobrevivência, de se auto-proteger. Portanto, o lobo no Gerês apenas pensará em proteger-se a si próprio em todos casos.

Obrigado por ler este artigo.
Se gostou da publicação, por favor partilhe-a com os seus amigos.