Gerês-Selvagem - Onde-comer

Os 50 melhores restaurantes do Minho e do Gerês

Gerês-Selvagem - Onde-comer



Visitar o Gerês certamente abre o apetite a qualquer pessoa, sobretudo se visitar as cascatas naturais do Gerês, ou praticar desportos, ou até mesmo andar nas actividades radicais no Gerês.

Fique a conhecer os 50 melhores restaurantes do Gerês, cada qual à sua maneira e com as especialidades da casa.

Os 50 melhores restaurantes do Gerês

COSTA DO VEZ – GRILL
Do pão de aveia, de milho e de trigo às pataniscas de bacalhau, rissóis, tortilhas, cabeça de porco de Montalegre e saladinhas, para entrada, até aos filetes de pescada ou de polvo com arroz malandrinho de feijão encarnado, parrilhada de peixe, bacalhau “à casa”, cozido, mãozinhas de vitela, arroz de pato à antiga, cabritinho no forno e vitela assada, tudo vale a pena. Bons vinhos.
Quinta de Silvares, Lugar de Silvares, Arcos de Valdevez. Tel. 258 516 122

ESPIGUEIRO DE SOAJO
O bacalhau e a nacos de carne de vitela Barrosã são especialidades a não perder. Aos fins-de-semana, cabrito no forno (por encomenda), naco de barrosã e cozido à soajeira (por encomenda). Em certas épocas pode fazer-se sarrabulho à moda do Soajo, anho assado, arroz das lavradas e outros bons pratos regionais. A paisagem natural é um espanto e o restaurante, que deve o nome aos espigueiros ainda existentes na região e que simbolizam o espírito a um tempo engenhoso e artístico do povo, faz parte dela.
Av. 25 de Abril, 1425, Lage, Soajo, Arcos de Valdevez Tel. 258 576 136

O MATADOURO
No antigo mercado municipal, à beira-rio, duas salas acolhedoras e cozinha regional. Entre os pratos mais apreciados contam-se os bacalhaus à Violeta e à Matadouro, os filetes de pescada, o polvo panado com arroz de feijão, a posta e a costeleta de vitela barrosã, o cozido à minhota, o cabritinho mamão da serra, e o pica-no-chão caseiro (por encomenda). No seu tempo, reina a lampreia. Garrafeira razoável.
Guilhadezes, Arcos de Valdevez T. 258 515 000.

VIDEIRA
Nesta casa rústica de granito com lareira o fumeiro e as pataniscas dominam as entradas, o bacalhau à Videira e a carne cachena (vitela do monte) dominam os pratos. A vitela pode ser assada no forno ou grelhada (posta, naco e costeleta). A não perder, no inverno,   o afogado de cabrito e o cozido à soajeira.
Laje, Soajo, Arcos de Valdevez T. 258 576 205.

CASA REAL
Abriu em Agosto de 2010, com o mesmo nome da casa mãe, em Arcos de Valdevez. A esplanada, com vista para as piscinas municipais e para a praia fluvial, é a melhor opção no Verão; as duas lareiras envidraçadas da sala principal servem de aconchego no Inverno. À mesa, a excelência do Minho: bacalhau com broa, o polvo à lagareiro, além de peixes grelhados e da posta à mirandesa. Picanha e rodízio estão também disponíveis por encomenda. O pudim ou a mousse de Frutos Silvestres com suspiro são um agradável finale.
Piscinas Municipais, Rua Dom Manuel, Ponte da Barca. Tel. 258 455 248

O MOINHO
A casa do moleiro passou a sala de refeições e a grande especialidade é a lampreia em arroz ou à bordalesa. Outros pratos sazonais a ter em conta são o sarrabulho e o cozido. Além destes, merecem destaque os filetes de polvo com arroz de feijão, os filetes de pescada fresca, o bacalhau à lagareiro, o bacalhau no forno, o cabrito assado, a posta e a costeleta barrosã. Doçaria caseira: leite-creme, pudim de ovos, rabanadas. Na garrafeira predominam os vinhos verdes da região.
Campo do Curro, Ponte da Barca. Tel. 258 452 035.

AMÂNDIO
Uma casa acolhedora, cuja sala de refeições serve também de mostra da arte regional e de boutique de vinhos. Entre os pratos principais, o destaque vai para os arrozes de robalo e de tamboril, o robalo no forno, os vários bacalhaus, o arroz de pato à antiga, o entrecosto de porco bísaro no forno, o rancho ou o cozido à portuguesa e, no seu tempo, a lampreia e o sável. Para sobremesa, as rabanadas. Excelente carta de vinhos.
R. Ricardo Joaquim de Sousa, Caminha T. 258 921 177.

CAFÉ CALÇADA
Da broa ao presunto, ao chouriço, aos rojões com pickles e outros petiscos, para entrada, até ao bacalhau frito com cebolada, aos rojões e aos assados no forno (lombo de porco, peru, galo e cabrito), tudo merece nota alta. Muito bom leite-creme para sobremesa. Nos vinhos há boas escolhas, embora o verde branco e tinto da casa prevaleçam.
Lugar de Ribas, Ribas, Venade, Caminha Tel. 258 922 428.

DUQUE DE CAMINHA
Num belo e antigo edifício, aqui servem-se amêijoa-boa (à Bulhão Pato, com limão ou com vinagre balsâmico), robalo ao vapor, rodovalho grelhado no carvão, sargo da pedra no forno, arroz de lavagante, posta mirandesa, pá de cordeiro no forno, caça (perdiz, javali e veado) e, para sobremesa, tarte tatin, tarte de pêra e pudim com canela e vinho do Porto. Muito boa garrafeira.
R. Ricardo Joaquim de Sousa, 111, Caminha. Tel. 258 722 046.

FOZ DO MINHO
Com uma vista esplendorosa sobre o rio, as especialidades passam pelo arroz de marisco, robalo da costa na grelha, arroz de tamboril, bacalhau à Foz, cabrito à padeiro, costeleta de vitela grelhada, tarte da casa e delícia de café. Garrafeira diversificada.
Esteiro, Vilarelho, Caminha. Tel. 258 921 784.

GAIVOTA
Em Moledo do Minho, este restaurante tem como especialidades o bacalhau com broa, o arroz de pato e o naco de vitela. As sobremesas são muitas e todas caseiras. Vale a pena experimentar a delícia da casa.
R. do Cruzeiro, Moledo do Minho, Caminha. Tel. 258 921 661.

ADEGA DO SOSSEGO
Aqui saboreia-se a lampreia seca, como entrada, e cozinhada com arroz ou à bordalesa, como prato principal (por encomenda, apenas na época). Também o debulho de sável, outra iguaria sazonal a não perder, ou o bacalhau frito com cebolada e assado na brasa, o cabritinho no forno à moda de Melgaço, o naco de carne na grelha e o costeletão de boi. Para sobremesa, leite-creme e pudim Adega do Sossego. Muito boa garrafeira.
Peso, Melgaço T. 251 404 308.

FORAL DE MELGAÇO
A ementa é diversificada, incluindo três menus de sucesso: o infantil, de circunstância; o vegetariano, muito equilibrado e o de bacalhaus com sete propostas excelentes. Por encomenda faz-se, ainda, um bacalhau recheado com lampreia seca, que é o ex-libris do restaurante. Outras sugestões: alheira de caça e seleção de enchidos grelhados, nas entradas; açorda de gambas sobre crosta de broa de centeio e tranches de pescada douradas com arroz de amêijoas, nos peixes; naco de porco grelhado com arroz de açafrão e migas de broa, plumas de porco preto com cogumelos e castanhas, e cabrito à moda de Melgaço (assado com as batatinhas e acompanhado com arroz de miúdos e legumes salteados), nas carnes.
Monte Prado, Melgaço Tel. 251 400 130.

O PANORAMA
Oferece um panorama deslumbrante do rio Minho e de terras de Espanha, o que bem justifica o seu nome. O melhor, porém, são os cestos com garrafas dos melhores vinhos, doces, presuntos, enchidos, réstias de alhos e de cebolas, e uma ementa variada com boas entradas, como pataniscas de lampreia, trutas e sável de escabeche, “pistolinhas em cama de setas” (mãozinhas de coelho com cogumelos), iscas de porco preto de escabeche. Mais: a lampreia à bordalesa e em arroz, bem como o sável e, ao longo do ano, o bacalhau à casa (tipo Zé do Pipo), o arroz de peixe, o linguado e o rodovalho com arrozinho de tomate, o cabritinho no forno, o lombelo barrosão e a presa de porco preto na brasa. Para sobremesa, compotas e doces caseiros.
Ed. do Mercado Municipal, Melgaço Tel. 251 410 400.

A GALIZA MAIL’ O MINHO
Com uma sala ampla, confortável e recatada, tem uma ementa extensa, na qual se evidenciam, para entrada, os folhados de peixe e mariscos, os enchidos e os presuntos; nos pratos principais, o bacalhau à Galiza Mail’ O Minho (dentro de broa com molho de cebolada e azeite), o arroz de tamboril com gambas e o cabrito à monçanense. Boa carta de vinhos.
Hotel Bienestar Termas de Monção, Av. das Caldas, Monção. Tel. 251 640 110.

QUINTA DA OLIVEIRA
Pequeno restaurante com uma sala agradável e boa cozinha, onde, na época, a lampreia em arroz ou à bordalesa e o sável com arroz de debulho são pratos de referência, embora os peixes do dia, os mariscos e o arroz de tamboril com gambas tenham sempre boa aceitação, tal como o cabrito e a vitela assados, o arroz de perdiz, a chanfana e os lombinhos de javali. Para sobremesa, rabanadas, arroz-doce e leite-creme queimado. Boa garrafeira.
Lg. da Oliveira, Monção. Tel. 251 653 235.

SETE À SETE
Na época da lampreia, apresenta-se com arroz, seja à bordalesa, ou de escabeche ou seca, isto é defumada e assada na brasa. Também o sável, que é frito e acompanhado com arroz de ervilhas de quebrar, goza da melhor fama. E há outros igualmente recomendáveis: bacalhau à casa (“à minhota” ou “à moda de Braga”), cabritinho grelhado na brasa, carne à camponês (estufada com legumes), sarrabulho, arroz de bulho, cozido à portuguesa e cabrito à Monção (por encomenda). Para sobremesa, barrigas de freira e leite-creme. Boa garrafeira.
R. Conselheiro João da Cunha, Monção. Tel. 251 652 577.

CASA DE PADORNELOS
Casa de granito, como as demais, numa terra de pastores, apresenta os produtos locais, confecionados à maneira da região. Não há ementa. Quem telefona, diz o que quer; quem aparece, sujeita-se ao que houver. Cozido à barrosã é o grande prato de inverno, vitela assada, posta de vitela, cabrito assado ou estufado e arroz de cabidela são iguarias de verão.
R. dos Valados, 9, Padornelos, Montalegre Tel. 276 512 114/96 241 8358.

DOM PEDRO PITÕES
A cozinha recorre aos produtos locais: pão de centeio, couves, batatas, fruta, fumeiro, carnes de porco e de cabrito. Para começar, o pão de mistura, que é quase só centeio, o presunto, o chouriço, o salpicão e a alheira do fumeiro familiar insinuam-se. Depois, a feijoada à transmontana com feijão vermelho, carnes de porco e enchidos, o cozido à portuguesa, o cabritinho estufado ou assado no forno, a posta barrosã e o bacalhau na brasa ou no forno são propostas a ter em conta.
Lg. do Toleiro, Pitões das Júnias, Montalegre. Tel. 276 566 288

NEVADA
Aberto há 15 anos, o restaurante serve vitela barrosã certificada. Pode ser posta, lombinhos ou costeleta – grelhados na brasa e chegam à mesa acompanhados por arroz de feijão e batata a murro. No capítulo do bacalhau, há o bacalhau à Nevada (assado na brasa com batata a murro e pimentos), recheado (com cebolada, queijo e presunto). Por encomenda, pode ainda saborear-se um cabritinho estufado ou assado no forno. Destaque para o leite-creme que ainda é torrado com ferro.
Estr. da Fronteira, 11, Bairro do Crasto, Montalegre. Tel. 276 512 411.

SOL E CHUVA
Sala de refeições e esplanada com as mesas viradas para um lago albergam uma cozinha vincadamente regional. Nos pratos de peixe destaca-se a truta quer grelhada, quer recheada com presunto e assada no forno; nas carnes, o cozido barrosão. Outros pratos recomendáveis: vitela e o cabrito assados no forno, a feijoada à transmontana, o bacalhau à Sol e Chuva (a lembrar o bacalhau à Zé do Pipo) e o bacalhau frito com presunto. Boa garrafeira.
EN 103, Pisões, Montalegre. Tel. 276 556 171.

O CONSELHEIRO
Só o gosto e o apetite de cada um ditarão a escolha entre o arroz de feijão com pataniscas de bacalhau, as trutas à Conselheiro, fritas com cebola, pimentos e presunto, as trutas de escabeche, o bacalhau à Conselheiro, o cabrito-montês de Padornelo, os rojões da sorça (carne usada para fazer os chouriços) e o arroz de pato à moda de Braga.
Lg. Visconde Moselos, Paredes de Coura. T. 251 782 610.

A CARVALHEIRA
Uma grande lareira no centro da sala condiz com o rústico ar desta casa minhota, na margem direita do Lima. Petiscos: bolinhos de bacalhau, ovas de peixe e favas com chouriço. Passo seguinte: pernil ou o cabrito assado no forno com arroz de pimento. O peixe para grelhar está sempre disponível e o bacalhau com broa é um clássico. No final, doces regionais, vulcão de chocolate ou Sgroppino (gelado de limão, vodka e chantilly)
Arcozelo, Ponte de Lima. Tel. 258 742 316

AÇUDE
De olhos postos em Ponte de Lima, o Açude privilegia a gastronomia regional. Arroz de sarrabulho, posta à açude, arroz de pato, cabrito assado no forno e peixes grelhados estão sempre disponíveis e, na época, conte ainda com arroz de lampreia, lampreia à bordalesa ou sável com arroz de debulho. Para a sobremesa, prepare-se para o pudim prior de Miranda ou o brigadeiro.
Centro Náutico, Arcozelo, Ponte de Lima. Tel. 258 944 158.

A TULHA
Situado no lugar de um antigo celeiro, é um espaço com ambiente rústico, serviço simpático e boa cozinha de base tradicional e regional. Peixe fresco para grelhar, bacalhau gratinado, arroz de polvo, caldeirada de lulas, arroz de sarrabulho, rojões, costeleta barrosã, vitela assada no forno e costeleta mendinha na brasa são algumas das boas propostas da ementa, sem esquecer a lampreia e o sável, na época. Boa carta de vinhos.
R. Formosa, Ponte de Lima. Tel. 258 942 879.

ADEGA DO PADRINHO
Bonita casa regional, onde não falta a louça típica de Viana. Cozinha-se arroz de sarrabulho durante todo o ano, bem como arroz de cabidela, arroz de pato à antiga, borrego à portuguesa, rojões à minhota, bacalhau à casa (frito, com cebolada, tipo à Narcisa), pataniscas com arroz de feijão, peixes do dia para grelhar, a par dos arrozes de tamboril e de polvo. Para sobremesa, arroz-doce e rabanadas. Razoável garrafeira.
R. Gago Coutinho, 162, Viana do Castelo. Tel. 258 826 954.

AS DA QUINTA
Gastronomia sugestiva com uma dezena de entradas, algumas das quais são boas surpresas, e alguns pratos fixos tão apetecíveis como o bacalhau aldrabão (tipo espiritual com bechamel em vez das natas), os medalhões de tamboril, a feijoada de gambas, o lombelo de porco com migas e o magret de pato. Sobremesas caseiras que incluem Apfelstrudel, profiteroles, tarte tatin, crepe com frutos silvestres e taça de gelados da quinta com frutos silvestres. Boa garrafeira.
Lg. das Tílias, Afife Viana do Castelo. Tel. 258 981 879.

AUGUSTO
O peixe do dia, proveniente da pesca artesanal, e o marisco são ofertas tentadoras, mas também a boa carne barrosã se recomenda. O carro de sapateira, o tamboril na telha, o robalo na caçarola, o bacalhau à Gil Eanes, a arrozada do poleiro e a posta barrosã são exemplos de uma oferta rica e com boa confeção, tal como sucede nas sobremesas com o leite-creme queimado com a férrea. Produtos naturais do Gerês.
Av. de Moldes, Capela, Castelo do Neiva, Viana do Castelo.  Tel. 258 371 026.

CAMELO
O cozido à portuguesa, os bacalhaus à Camelo e à Gil Eanes, o polvo na brasa, o arroz de galo pé descalço, o arroz de sarrabulho com enchidos e rojões caseiros, o cabritinho assado no forno, são alguns dos pratos mais emblemáticos. Chegada a época da lampreia é forçoso ir lá saboreá-la em arroz, à bordalesa, assada no forno com batatinhas novas ou de escabeche. Para sobremesa, arroz-doce à Prior de Vila Franca, creme queimado de Santa Marta, pudim do Abade de Priscos e rabanadas. Boa garrafeira.
St.ª Marta de Portuzelo, 119, Viana do Castelo. Tel. 258 839 090.

CASA D’ARMAS
Instalado nas antigas cavalariças de uma mansão senhorial, datada de 1702, é um espaço bonito e acolhedor com excelente cozinha. O couvert bem composto permite entreter a boca enquanto se aguardam os pratos escolhidos, sempre feitos ao momento. Também o leque de entradas é variado. Nos pratos principais, destacam-se os peixes do mar – rodovalho, robalo e cherne, entre outros -, o Bacalhau à Casa d’Armas (tipo Zé do Pipo), a açorda e o arroz de marisco, o tornedó à Casa d’Armas e o Terra Mar (naco de carne com camarão flamejados com rum). Carrinho de sobremesas bem fornecido e apetecível. Boa carta de vinhos.
Lg. 5 de Outubro, 30, Viana do Castelo. Tel. 258 824 999.

CASA DE PASTO MARIA DE PERRE
Casa típica, perto do rio, com cozinha tipicamente regional. Passou de tasquinha de comida caseira e barata a restaurante onde continua a ser possível comer bem e por pouco dinheiro. Num ambiente alegre, descontraído, familiar, provem-se os petiscos, a anteceder um dos pratos de bacalhau, os arrozes de tamboril e de marisco, as paelhas marisqueira e à valenciana, a vitela assada e o cabrito no forno, os rojões, o arroz de pato, a pá de porco, o arroz de sarrabulho e o cabrito à serra d’Arga e o cozido à portuguesa. Boas sobremesas caseiras.
R. de Viana, 118, Viana do Castelo. Tel. 258 822 410.

COMPOSTELA
Entre Viana do Castelo e Caminha, a Pensão Compostela tem um restaurante com boa cozinha regional que oferece, também, uma bela vista da praia de Afife. O peixe do dia recomenda-se sempre, cozido ou grelhado, tal como os arrozes de robalo e de tamboril, os bacalhaus à vianense, à Margarida da Praça, gratinado à nossa moda (tipo Zé do Pipo) e assado na brasa, a vitela assada, a posta com arroz de feijão à moda de Ponte da Barca e o lombo na brasa. Boa garrafeira.
Pensão Compostela, EN 13, km 79, Afife, Viana do Castelo. Tel. 258 981 465.

CONDE DO CAMARIDO
Instalada num solar manuelino de 1509, a cozinha baseia-se nos produtos tradicionais da região que apresenta de forma criativa, como o bacalhau dourado com cebolada de pimentos, o naco de novilho com legumes grelhados ou com risotto de maçã, o cabrito perfumado com alecrim e, nas sobremesas, a tarde de maçã com gelado de baunilha. Boa garrafeira.
Av. Conde da Carreira, 28, Viana do Castelo. Tel. 258 808 200.

COZINHA DAS MALHEIRAS
Sala ampla e confortável num edifício secular do centro de Viana do Castelo com serviço muito simpático e boa cozinha portuguesa. Sopa do mar, lagosta à armoricaina, santola recheada à moda de Viana, papas de sarrabulho, bacalhau à Cozinha das Malheiras, arroz e feijoada de mariscos, arroz de peixe, peixe na cataplana e cabritinho à serra d’Arga são as especialidades. Na época, não perder a lampreia e o sável. Rabanadas para sobremesa, durante todo o ano, a melhor solução para se comer bem no Gerês.
R. Gago Coutinho, 19, Viana do Castelo. Tel. 258 823 680.

DARQUE VILA
Aqui destacam-se o Bacalhau à Darque Vila (frito com cebolada) ou à Lagareiro, Arroz de grelos com chouriças caseiras acompanhado ou de panadinhos ou de filetes. As sobremesas são imperdíveis: leite-creme, aletria, sericaia, sopa dourada e encharcada.
R. das Rosas, Lt. 298 B, Darque, Viana do Castelo. T. 258 322 032.

MAR À DUNA
Sugere-se, para começar, creme de sapateira, carpaccio de presunto de pato fumado ou salada de atum em calda de azeite, fresca e saborosa; do trio de massas, fettuccine preto com gambas e mexilhão gigante com aroma de pimentos e coentros; nos peixes, paelha à Mar à Duna, polvo assado à lagareiro, arroz de tamboril com gambas e dourada assada a pé sobre legumes; nas carnes, bife à Mar à Duna (suculento lombo de vitela em telha de massa folhada sobre legumes).
Praia do Carreço, Viana do Castelo. T. 96 505 6989.

MARIANA
A refeição começa com uma sopa de legumes, aliás excelente. Nas entradas, a opção mais consensual recai nas amêijoas à Bulhão Pato, das boas e preparadas a preceito, ou no camarão da costa, quando há. Depois, o que sai mais é peixe: todo da costa e de frescura irrepreensível, para grelhar; robalo ou sargo grande para assar no forno, por encomenda, tal como sucede com a caldeirada.
Estr. Pedro Homem de Mello, 42, Afife, Viana do Castelo. Tel. 258 981 327.

O LARANJEIRA – PENSÃO RESTAURANTE
Misto de simplicidade e de bom gosto, o rol de iguarias tem nomes amáveis e familiares, como as empadinhas de lampreia, as pataniscas de bacalhau e o guisado de favas com carnes de porco fumadas que vale a pena saborear como entrada. Nos peixes, os filetes de pescada com arroz de tomate (malandrinho) são uma das referências da casa, a par dos bacalhaus à moda de Viana ou à Gil Eanes, das sardinhas espalmadas com salada de feijão-fradinho e, na época, da famosa lampreia em arroz ou à bordalesa; nas carnes predominam os típicos rojões à moda do Minho com arroz de sarrabulho, o cozido, a dobrada, as tripas e as costeletinhas de borrego grelhadas. Excelente serviço deste bom restaurante do Gerês.
R. Manuel Espregueira, 24, Viana do Castelo. Tel. 258 822 258.

O MANEL
Para entrada há petisquinhos do dia, como petingas e joaquinzinhos fritos ou de escabeche. Nos peixes, que vêm diretamente da lota, merecem destaque as fanecas e as solhas fritas com arroz de forno, o badejo à moleira (panado e frito) e o sável, na época. Também as carnes são excelentes: vitela assada, mãozinhas de vitela, rancho, rojões, tripas com feijão branco e feijoada à transmontana, entre outros pratos. Sobremesas caseiras.
Pç. da Liberdade, A2, A4, Viana do Castelo. Tel. 96 281 4670.

OS 3 POTES
No local onde foi, nos séculos XV e XVI, o forno do povo, agora estão mesas com toalhas com o típico bordado de Viana, que esperam pelas iguarias do Minho: rojões, papas de sarrabulho, cabrito, bacalhau ou polvo grelhados na brasa. Na época, a lampreia à bordalesa tem lugar de destaque e nas sobremesas há rabanadas com molho de Natal, leite-creme e pudim abade de Priscos. No interior destas paredes, de granito, que pertenceram também às muralhas da cidade, os jantares de sábado são marcados por espetáculos de folclore.
Beco dos Fornos, Viana do Castelo, 258 829 928.

QUINTA DE S. ROQUE
Gastronomia regional que utiliza produtos biológicos produzidos na própria quinta. Culinária competente como se comprova com as empadas, os rissóis e os bolinhos de bacalhau, nas entradas; e o bacalhau no forno com broa, a posta barrosã com molho de alho e o lombelo de porco com ananás, batata a murro e molho aromático, nos pratos principais. Por encomenda, fazem-se arrozes de lampreia ou de pica no chão, cabrito assado no forno e outras iguarias. Garrafeira suficiente para um bom restaurante no Gerês.
R. Pedro Homem de Melo, Afife, Viana do Castelo. Tel. 258 981 494.

SOLAR DO PESCADO
A oferta gastronómica assenta no pescado de qualidade e bem confeccionado, tendo no arroz de lavagante, no robalo na cataplana com amêijoas, na parrilhada de peixes frescos, na lampreia e no sável, em tempo deles, alguns dos pratos mais emblemáticos. Boa garrafeira.
R. Visconde Sousa Rego, 85, Caminha, Viana do Castelo. Tel. 258 922 794.

TABERNA DO VALENTIM
É o mar que dita, dia após dia, o que é que deve ser escrito na ementa. Quase sempre se escreve: tamboril, raia, robalo, linguado, peixe-galo, congro, rodovalho, cherne e sardinha, quando é boa. Cozinhados simples: peixe na brasa só com sal grosso, sendo acompanhado com batatas cozidas e legumes, incluindo obrigatoriamente grão-de-bico, sem molhos; arroz de peixe caldeirada e ensopado de peixe, entre outros pratos emblemáticos. Para entrada: sopa de peixe e pataniscas de bacalhau. Sobremesas caseiras. Pequena garrafeira.
R. Monsenhor Daniel Machado, 180, Viana do Castelo. Tel. 258 827 505.

TASQUINHA DA LINDA
Reinam os peixes e mariscos frescos neste espaço acolhedor com paredes de granito, muito bem recuperado de um antigo armazém da doca de marés de Viana do Castelo. Das amêijoas ao camarão da costa, mexilhões, navalhas e percebes até aos rissóis de camarão, polvo e aos bolinhos de bacalhau, nas entradas; e dos peixes grelhados ao arroz de peixe com tamboril e gambas, arroz de lavagante e massada de peixe. Leite-creme. Garrafeira pequena e selecionada.
R. dos Mareantes, 10 A, Doca das Marés, Viana do Castelo. T. 258 847 900.

ABRIGO DAS ANDORINHAS
É uma das mesas onde a lampreia é mais apreciada, seja em arroz, seja à bordalesa, tal como, mais tarde, o sável frito com arroz de ovas e o sável de escabeche. Além destes pratos, o bacalhau à casa, o polvo à lagareiro, filetes de polvo com arroz de feijão, o peixe do dia e, nas carnes, a posta de vitela, o naco de lombo de novilho e, aos fins de semana, o cabrito assado no forno merecem registo. Para sobremesa, pudim de ovos, leite-creme ou arroz-doce. Razoável garrafeira. Bom serviço.
R. Queirós Ribeiro, 76, Vila Nova de Cerveira. T. 251 795 335.

CASA DAS VELHAS
A ementa baseia-se em apostas ganhadoras, como são os bacalhaus à Mineirinhas, à lagareiro e com broa. O polvo à lagareiro e os filetes de polvo panados, muito tenros e saborosos, são igualmente apreciados. O arroz de pato com a carne desfiada e escondida no arroz escuro e solto é outro prato emblemático (tal como a lampreia e o sável, na época).
Qt. Mineirinhas, Vila Nova de Cerveira. Tel. 251 708 482.

TORRES
Restaurante de cozinha tradicional com sabores caseiros da região do Gerês. Ementa muito diversificada com grande variedade de petiscos para entrada, com os quais se pode fazer, aliás, uma excelente refeição – pataniscas, trespassadas (ovos mexidos com chouriço caseiro), alheira de perdiz, vários mariscos – e um elenco de peso nos pratos principais: peixe do dia para cozer, fritar, grelhar ou assar no forno, supremos de garoupa, caldeirada, lampreia e o sável na sua época, costeletão de boi azeitado, rosbife ao natural ou folhado e gratinado, cabrito à serrana, bifinhos de carne barrosã e caça. Doçaria caseira. Boa garrafeira do Torres, um dos restaurantes do Gerês.
Lugar da Bouça, Ponte de S. Vicente, Vila Verde. Tel. 253 361 619.

RESTAURANTE NEVADA
Tudo aqui é biológico e os presuntos e as carnes de fumeiro são certificadas, desde as alheiras, às chouriças e aos salpicões. A truta, do Cávado mesmo, é um dos pratos aconselhados, em conjunto com o bacalhau assado na brasa, recheado ou com cebolada. Para sobremesa, maçã assada com doce de abóbora e claras gratinadas e talvez apareçam uns queijos com umas tiras de pão de centeio tostado.
Estrada da Fronteira, Montalegre. Tel. 276512411

TASCA DO AÇOUGUE
Com a decoração das paredes feita com quadros de António Alijó, esta tasca típica, toda em madeira e pedra, serve pratos e petiscos da gastronomia regional.
Terreiro do Açougue, junto ao Castelo, Montalegre. Tel. 276 511 164

RESTAURANTE ABOCANHADO
Com mobiliário de Siza Vieira, este é um projeto assinado pelos arquitetos António Portugal e Manuel Maria Reis que já conquistou dois prémios internacionais. A antiga madeira dos caminhos-de-ferro reveste a fachada, onde uma janela de 20 metros espraia a vista sobre o vale do rio Homem. A ementa é local e se escolher o Cabrito e Vitela barrosã pode ter a certeza de que pastaram por ali perto. Para a sobremesa, a sugestão é a Torta de Laranja de Amares. Por encomenda pode ainda pedir coelho bravo, perdiz, javali, veado ou arroz de cabidela.
Lugar de Brufe, Terras de Bouro.  Tel. 253 352 944.

CASA DE PADORNELOS
O restaurante é, na verdade, a casa da D. Aldina e do senhor Ricardo, em plena serra do Larouco, a norte de Montalegre. Casa de granito, como as demais, numa terra de pastores. Aqui não há ementa. Quem telefona, diz o que quer; quem aparece, sujeita-se ao que houver. Cozido à barrosã é o grande prato de inverno, vitela assada, posta de vitela, cabrito assado ou estufado e arroz de cabidela são iguarias de verão.
Rua dos Valados, 9, Padornelos, Montalegre. Tel. 276 512 114/96 241 8358.

DOM PEDRO PITÕES
Nesta sala ampla com lareira, a cozinha recorre aos produtos locais: pão de centeio, couves, batatas, fruta, fumeiro, carnes de porco e de cabrito. Para começar, o pão de mistura (quase só centeio), o presunto, o chouriço, o salpicão e a alheira do fumeiro familiar insinuam-se. Depois, a feijoada à transmontana com feijão vermelho, carnes de porco e enchidos, o cozido à portuguesa, o cabritinho estufado ou assado no forno, a posta barrosã e o bacalhau na brasa ou no forno são propostas a ter em conta para este que é 1 dos restaurantes do Gerês.
Lg. do Toleiro, Pitões das Júnias, Montalegre. Tel. 276 566 288.

NEVADA
Aberto há 15 anos, o restaurante, serve vitela barrosã certificada. Pode ser posta, lombinhos ou costeleta – grelhados na brasa, chegam à mesa acompanhados por arroz de feijão e batata a murro. No capítulo do bacalhau, há à Nevada (assado na brasa com batata a murro e pimentos), recheado (com cebolada, queijo e presunto). Por encomenda, pode ainda saborear-se um cabritinho estufado ou assado no forno. As sobremesas são muitas: destaque para o leite-creme que ainda é torrado com ferro.
Estr. da Fronteira, 11, Bairro do Crasto, Montalegre. Tel. 276 512 411.

SOL E CHUVA
Sala de refeições e esplanada com as mesas viradas para a barragem e a cozinha vincadamente regional. Nos pratos de peixe, destaca-se a truta, grelhada ou no forno, recheada com presunto, além do bacalhau à Sol e Chuva (com puré e maionese, a lembrar à Zé do Pipo) e o bacalhau frito com presunto. Nas carnes: cozido barrosão, vitela e cabrito assados no forno e feijoada à transmontana.
EN 103, Pisões, Montalegre. Tel. 276 556 171.

ABOCANHADO 
Um espanto, quer pela arquitetura, quer pela gastronomia, com a carne barrosã e o cabrito em especial evidência. Os pratos de bacalhau com migas ou tibornada, a pá de porco em forno de lenha, o garnizé, o javali e o veado com arroz de carqueja são outros atrativos para os gastrónomos. Mas tudo é bom: da tábua de enchidos, para entrada, até às sobremesas feitas no restaurante com receitas de família.
Lugar de Brufe, Terras de Bouro. Tel. 253 352 944/91 734 2957.

CANTINHO DO ANTIGAMENTE
Só tem um prato do dia para os trabalhadores locais e para os eventuais visitantes. Mas, por marcação, confeciona outras iguarias e serve, também, ao jantar. Vale a pena ir lá saborear o presigo (couves, batatas, feijão amarelo e carnes de porco), o cozido à lavrador (couves, batatas, cenouras e carnes de porco), os rojões, o feijão amarelo com arroz a acompanhar pastilha, que é uma espécie de patanisca de bacalhau, o frango com arroz, o bolo recheado (massa de milho com carnes dentro), o sarrabulho fresco, o cabrito assado, a posta barrosã, as compotas, o azeite condimentado.
Lugar de Sá, Covide, Terras de Bouro. Tel. 253 353 195 / 91 242 1517

TOCA DO CAÇADOR
O restaurante tem duas salas grandes, mas acolhedoras, culinária esmerada e serviço simpático, pois tudo é feito em família. Entre as especialidades, o destaque vai para a truta do rio, na época. Também o bacalhau recheado à moda da casa, o anho assado ou o cabrito, embora só de encomenda, o cozido à portuguesa, os rojões, a feijoada e o rancho merecem boa nota. Garrafeira adequada à ementa, de acordo com os melhores restaurantes do Gerês.
Moimenta, Terras de Bouro. Tel. 253 351 137.

ARIJAL
Integrado na residencial com o mesmo nome, o restaurante tem uma cozinha regional, que se comprova com o bacalhau da casa (no forno), os filetes de pescada fresca, a posta de vitela à Arijal, a vitela assada e, aos fins de semana, o cabrito assado no forno. Sobremesas tradicionais. Razoável garrafeira. Serviço eficiente e simpático.
R. Padre José Carlos Alves, Vieira do Minho. Tel. 253 647 262.